sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Saber Viver...Miranda.













Saber Viver


Não sei... Se a vida é curta
Ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
Não seja nem curta,
Nem longa demais,
Mas que seja intensa,
Verdadeira, pura... Enquanto durar


Cora Coralina, pseudónimo de Ana Lins do Guimarães Peixoto Brêtas, 20/08/1889 — 10/04/1985, é a grande poetisa do Estado de Goiás

S. Francisco de Assis...amigo dos animais...









Um único raio de sol é suficiente para afastar muitas sombras.


S. Francisco de Assis

SONETO DE ANIVERSÁRIO...


















Passem-se dias, horas, meses, anos
Amadureçam as ilusões da vida
Prossiga ela sempre dividida
Entre compensações e desenganos.

Faça-se a carne mais envilecida
Diminuam os bens, cresçam os danos
Vença o ideal de andar caminhos planos
Melhor que levar tudo de vencida.

Queira-se antes ventura que aventura
À medida que a têmpora embranquece
E fica tenra a fibra que era dura.

E eu te direi: amiga minha, esquece...
Que grande é este amor meu de criatura
Que vê envelhecer e não envelhece.


Vinícius de Moraes (Rio, 1942)

À mulher que me deu o ser, mãe, avó e AMIGA, meu PORTO de ABRIGO...fez 78 aninhos em 22 deste mesmo mês. PARABÉNS minha MÃE...é tão bom ter-te connosco. Para mim és e serás sempre OMNIPRESENTE!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Chiquinho...












Tive um macaquinho igualzinho a este.

Se fosse hoje não o teria...a minha consciência ecológica cada vez mais apurada e cada vez mais crítica, o meu profundo respeito pela natureza levar-me-ia a devolvê-lo ao seu habitat natural.

Não foi assim e isto passou-se na minha adolescência, em África. Teria eu os meus 15 anos...o meu pai apareceu em casa com o Chiquinho.

O meu pai adorava animais...e este, encontrou-o numa picada, no meio do mato, ao lado da mãe morta. Seria bébé, indefeso...deixou-se apanhar, aninhando-se no colo.

Tratado como um elemento da família, cresceu cheio de mimo...imitava tudo e todos...dormia na minha cama e deitava-se com a cabeça na almofada. Com as mãozinhas aconchegava os lençóis ao pescoço tal como eu fazia...era o máximo, um doce encanto...o problema era demanhã, ao toque do despertador...sentava-se ao meu lado e com os seus dedinhos abria-me as pálpebras com as unhitas...qual x-ato!!!!

Adorava-o.

Bebia água com um copo e adorava batas fritas...o seu petisco favorito...

Era o mano da minha mana, 11 anos mais nova, ela vestia-o, pentava-o...eu sei lá...brincavam de igual para igual. Grandes amigos! Até o castigo da minha mãe era igual para os dois...chinelo na mão, ameaçava-os...o Chiquinho arrancava-lhe o chinelo da mão e a seguir era ele que ia atrás dela a ameaçá-la... só visto!

E ele sempre a crescer...naturalmente...

Já era um jovem, começou a saltar pelas varandas dos vizinhos e roubava fruta...entrava nas salas e toca a "assaltar" as fruteiras que se encontaravm nas mesas, qual decoração da época.

Bom, o certo é que começaram a chover as queixas dos lesados, que quando o enxotavam...eram ameaçados com caretas e dentição à mostra...do tipo...vou-te morder!

Tentámos de tudo...mas ele escapava-se sempre! Lá ia ele p'rá malandrice do costume...gamanço!

A dada altura não houve outra saída...devolvê-lo à mãe natureza!

Na época, o meu pai tinha um acampamento lindo, no meio do mato...todo em paliçada, com cabanas, cozinha e casas de banho. Era a obra de construção e terraplanagem da estrada da Ponta do Ouro. Era o seu ofício.

Claro está que o Chiquinho foi para lá...aí ele sentia-se como peixinho na água...ia e vinha da selva, conforme lhe apetecia...até que um dia nunca mais voltou.

Quero acreditar que ficou bem, que arranjou por lá uma família e continuou a sua espécie...

Tive um desgosto tamanho que já nem me recordo quanto tempo chorei...concluí na altura que nunca mais queria ter bichos em toda a minha vida.

É obvio que tal fundamentalismo não é a minha forma de vida! Tenho 4 cães e 2 gatos! Sofro imenso quando algum termina por cá o seu percurso...that's life!

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Respeito...
















"Hoje em dia, a vida deve ser caracterizada como um sentido de responsabilidade universal, não só de nação para nação, de homem para homem, mas do homem para com outras formas de vida"
Tenzin Gyatso

Sabedoria....













"Um dia, a Terra vai adoecer. Os pássaros cairão do céu, os mares vão escurecer e os peixes aparecerão mortos na correnteza dos rios. Quando esse dia chegar, os índios perderão o seu espírito. Mas vão recuperá-lo para ensinar ao homem branco a reverência pela sagrada terra. Aí, então, todas as raças vão se unir sob o símbolo do arco-íris para terminar com a destruição. Será o tempo dos Guerreiros do Arco-Íris."

(Profecia feita há mais de 200 anos por "Olhos de Fogo", uma velha índia Cree.)

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

É por isto que eu não como carne de porco...Lindo!

video


Curiosamente, há muitos anos, muitos mesmo, conheci uma família que tinha um porco domesticado. Entrou em casa deles com o objectivo de ser servido num tabuleiro, assado no forno, com uma maçã na boca, qual iguaria, especialidade do cozinheiro da casa!

Ditou-lhe a sorte o facto de ele ser tão fofinho e porque andava sempre atrás das pernas de todos que não o "paparam".

A partir daí foi só crescer, cor-de-rosa e luzidio, era lindo! A metamorfose de leitão a porco foi num ápice.

Tratado com muito amor e carinho, era extremamente asseado.Contrariamente ao nome que indevidamente têm (se lhes derem oportunidade, obviamente, para serem limpinhos), este era tal e qual como um cão de companhia.

Tinha na sala o seu sofá favorito, aí ninguém se sentava, era só dele...a daí ficava com aquele apêndice helicoidal, vulgo rabo, a abanar para as visitas, sempre muito atento e com um olhar doce! Só daí se levantava para ir beber água à cozinha ou comer qualquer coisa. Dormia no quarto do casal aos pés da cama em cima dum almofadão e era o primeiro a dar sinal de ruídos estranhos, indo indagar pela casa fora, fazendo a ronda.

Para o jardim da casa só saía à esperar das visitas ao portão, de resto estava sempre lá dentro. Subia a descia as escadas com a mestria de quem sempre viveu num palácio!

A esta distância, tenho pena de não ter prestadao ainda mais atenção a este belo animal de companhia, que teve a sorte de lhe calhar uma famíla com coração, que o adorava.

Na minha casa acontecer-lhe-ia o mesmo. Os animais morrem de velhice...pela lei da vida e ficamos sempre muito tristes quando se vão "embora".

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Esta correria em que vivemos....














Conselho de um velho apaixonado

Quando encontrar alguém e esse alguém fizer
seu coração parar de funcionar por alguns segundos,
preste atenção: pode ser a pessoa
mais importante da sua vida.

Se os olhares se cruzarem e, neste momento,
houver o mesmo brilho intenso entre eles,
fique alerta: pode ser a pessoa que você está
esperando desde o dia em que nasceu.

Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo
for apaixonante, e os olhos se encherem
d'água neste momento, perceba:
existe algo mágico entre vocês.

Se o 1º e o último pensamento do seu dia
for essa pessoa, se a vontade de ficar
juntos chegar a apertar o coração, agradeça:
Algo do céu te mandou
um presente divino : O AMOR.

Se um dia tiverem que pedir perdão um
ao outro por algum motivo e, em troca,
receber um abraço, um sorriso, um afago nos cabelos
e os gestos valerem mais que mil palavras,
entregue-se: vocês foram feitos um pro outro.

Se por algum motivo você estiver triste,
se a vida te deu uma rasteira e a outra pessoa
sofrer o seu sofrimento, chorar as suas
lágrimas e enxugá-las com ternura, que
coisa maravilhosa: você poderá contar
com ela em qualquer momento de sua vida.

Se você conseguir, em pensamento, sentir
o cheiro da pessoa como
se ela estivesse ali do seu lado...

Se você achar a pessoa maravilhosamente linda,
mesmo ela estando de pijamas velhos,
chinelos de dedo e cabelos emaranhados...


Se você não consegue trabalhar direito o dia todo,
ansioso pelo encontro que está marcado para a noite...

Se você não consegue imaginar, de maneira
nenhuma, um futuro sem a pessoa ao seu lado...

Se você tiver a certeza que vai ver a outra
envelhecendo e, mesmo assim, tiver a convicção
que vai continuar sendo louco por ela...

Se você preferir fechar os olhos, antes de ver
a outra partindo: é o amor que chegou na sua vida.

Muitas pessoas apaixonam-se muitas vezes
na vida poucas amam ou encontram um amor verdadeiro.

Às vezes encontram e, por não prestarem atenção
nesses sinais, deixam o amor passar,
sem deixá-lo acontecer verdadeiramente.

É o livre-arbítrio. Por isso, preste atenção nos sinais.
Não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem
cego para a melhor coisa da vida: o AMOR !!!

Carlos Drummond de Andrade

Inspirada neste belo poema ocorre-me dizer...que os olhares não se cruzam...os corações estão empedernidos como a calçada das ruas que pisamos a correr e das quais não desviamos o olhar...

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Bolo...

















"Cozinhar não é um serviço, meu neto, disse ela.
Cozinhar é um modo de amar os outros"

(MIA COUTO, IN O FIO DAS MISSANGAS)